Emprego e a contratação de planos de saúde

Já está no ar a 38° edição do Boletim “Conjuntura Saúde Suplementar”. A publicação traz uma análise das variáveis socioeconômicas relevantes ao desempenho do setor de saúde suplementar e da economia nacional referentes ao 2° trimestre de 2018, analisando seus desdobramentos para o segmento.

Como destaque, a nova edição faz um comparativo do desempenho do mercado de trabalho e do número de beneficiários de planos coletivos empresariais. Segundo a publicação, a taxa de desocupação – que mede o desemprego – medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) atingiu 12,4% no período analisado.

Esse número representa uma queda em relação ao trimestre anterior, que registrou 13,1%. A diminuição, no entanto, não resultou em aumento expressivo do número de pessoas empregadas com carteira assinada, que apresentou ligeira alta, passando de 35.948 milhões no 1ºtrimestre do ano para 35.963 milhões no 2º trimestre.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o boletim registrou queda de 1,3% no número de trabalhadores com carteira assinada, ou seja, a queda da taxa de desocupação no país está diretamente relacionada com a ampliação do trabalho informal. No 2ºtrimestre de 2018, o número de pessoas ocupadas foi de 91,2 milhões de pessoas, ou seja, um aumento de 1,1% em relação ao mesmo período do ano passado. No setor privado, no entanto, o número de empregados com carteira de trabalho assinada diminuiu em 1,5%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *