Novos Exames para COVID: Revogação da RN 458/20 e Conflitos Entre Poderes

Foi pauta da 530ª reunião da diretoria colegiada da ANS, em 16/7/2020, mais uma vez a decisão proferida nos autos da Ação Civil Pública nº 0810140-15.2020.4.05.8300, que determinou que os exames sorológicos – pesquisa de anticorpos IgA, IgG ou IgM (com Diretriz de Utilização).

Agora, a reunião tratou da suspensão da RN ANS 458/20, que tratava exatamente do atendimento a Ação Civil Pública supra referendada.

A questão ganha contornos ainda mais relevantes, porque expõe um contexto de fragilidade jurídica na definição da determinação sobre a cobertura para o indicado exame, e em verdade, expõe um conflito já antigo sobre a competência da ANS para a definição das tratativas sobre a cobertura obrigatória para os contratos de planos de saúde.

Se de uma lado o P. Judiciário busca ampliar a cobertura do Rol, registrando em diversas decisões que o rol seria exemplificativo, porque a limitação importaria na violação a direitos do consumidor.

De outro lado, a ANS buscou se instrumentalizar com o uso de ferramentas de Análise de Impacto Regulatório, a fim de assegurar maior objetividade e transparência na definição das políticas públicas setoriais, fato este que deveria ser suficiente para a afastar o P. Judiciário da análise do mérito administrativo sobre o Rol.

Notadamente a questão seguirá polêmica, e apesar da revogação da RN ANS 458/20, esta revogação passou a operar efeitos em 17/7/2020, motivo pelo qual, cabível afirmar que até esta data os pedidos já encaminhados devem ser avaliados de acordo com a DUT registrada na normativa.

Em contra ponto, consignamos nossa posição da própria desnecessidade de suspensão da RN 458/20, porquanto a mesma era fundamentada na decisão da Ação Civil Pública, e no momento em que esta última perde efeito, automaticamente o fundamento de validade da Normativa igualmente perde, tornando-a nula.

De mais a mais, a ANS, acertadamente, suspendeu a resolução, mas agendou audiência pública no dia 24/7/2020 para tratar da pertinência dos exames, e prosseguir com os levantamentos técnicos sobre a pertinência do mesmo para a saúde suplementar. A medida é importante, porquanto serve também para esvaziar o fundamento da decisão na ACP que apontava para um vazio regulatório, o que reforça a tese sobre limitação da intervenção do judiciário.

Cabe ainda referendar que no âmbito do SUS, não existem critérios ou regras definidas para testagens, em exames sorológicos, da população.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code